“É agora como nunca”: Thomaz Ramalho

lê poema presente na coletânea “É agora como nunca”.

Organizado por Adriana Calcanhotto, “É agora como nunca” reúne 41 novos poetas brasileiros nascidos entre 1973 e 1990. Com humor e melancolia, os versos, reunidos, formam um panorama vibrante e múltiplo da poesia atual — espalhada em saraus, blogs e, por que não?!, livros. Cada um à sua maneira, os poemas têm uma característica em comum: falam sobre este momento, este minuto, este agora como nunca. Leia mais: http://bit.ly/2jUEq2Z